A purga após
o golpe falhado atinge já 60 mil pessoas
Turquia insiste na extradição de Gulen
Ancara e Washington
com relações tensas

Prossegue a purga na Turquia, na reacção ao golpe militar falhado de 15 de Julho. Ancara exige a Washington a extradição do clérigo Fetullah Gulen, acusado de ser o mentor da intentona.

O ministro turco dos Negócios Estrangeiros afirmou que as relações entre a Turquia e os Estados Unidos podem ser afectadas se Washington não extraditar Fetullah Gulen, um imã que Ancara considera ser o mandante da recente tentativa de golpe militar. A Turquia vai intensificar os esforços para obter o regresso do clérigo muçulmano, revelou Mevlut Cavusoglu, na segunda-feira, 25, em entrevista ao operador privado Haberturk TV.

O governo turco tem repetido que o golpe falhado, que causou 246 mortos e mais de 2 100 feridos, foi organizado por seguidores de Gulen, de 74 anos. Este, que vive nos Estados Unidos desde 1999, protegido pelas autoridades, desmente qualquer envolvimento na conspiração. E acusa o presidente Recep Tayyip Erdogan, de quem no passado foi aliado, de ter provocado o golpe como pretexto para se desfazer de adversários e concretizar um plano antigo de instalar na Turquia um regime presidencialista.

O certo é que, desde que a rebelião militar foi derrotada, há menos de 15 dias, as autoridades turcas detiveram, suspenderam, demitiram ou colocaram sob investigação cerca de 60 mil pessoas – militares, incluindo altas patentes, polícias, juízes e magistrados, professores, estudantes, funcionários públicos. No início desta semana, foi anunciado também o afastamento de um número não especificado de embaixadores e a prisão de pelo menos 42 jornalistas.

EUA sabiam

No domingo, 24, o ministro da Justiça, Bekir Bozdag, garantiu que os Estados Unidos sabem que a tentativa de golpe foi feita por Gulen. «Estou certo de que o presidente Obama, os serviços de informações norte-americanos e o secretário de Estado sabem que o golpe foi feito por Gulen, e que não há qualquer dúvida sobre isto», assegurou Bosdag ao Kanal 7 da televisão turca. Avisou que as relações entre os dois países, velhos aliados e membros da NATO, seriam afectadas se Gulen continuasse a viver na Pensilvânia. «O governo norte-americano não tem qualquer justificação para proteger e manter Gulen nos EUA», considerou, revelando que ele e o ministro turco do Interior, Efkan Ala, viajarão para os Estados Unidos para discutir o processo de extradição.

No quadro da purga em curso, o regime turco instaurou o estado de emergência, suspendeu a adesão à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, estendeu de quatro para 30 dias o período máximo de detenção sem culpa formada e encara a reintrodução da pena de morte. Ordenou o encerramento de 15 universidades e 1043 escolas privadas e residências de estudantes. E ilegalizou 1229 fundações e associações, além de 19 uniões sindicais e de 35 instituições médicas.

O primeiro-ministro, Binali Yildirim, avançou entretanto que, quando for implantado um regime presidencialista, a chefia das forças armadas dependerá não do ministério da Defesa mas directamente da presidência da República. Formalmente, para a mudança do parlamentarismo para o presidencialismo terá de haver uma alteração à Constituição com uma maioria de dois terços.

Yildirim disse também que, no futuro, a Guarda Presidencial será dissolvida. Por suspeita de envolvimento no golpe falhado de 15 de Julho, 283 dos 2500 membros desse corpo do exército foram presos.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: