Conferência sindical do STAL

Aprovado por unanimidade e aclamação por centenas de delegados de todas as regiões, o manifesto «Os direitos dos trabalhadores no Poder Local de Abril» expressa um «compromisso de luta» que sobressai como principal conclusão da 2.ª Conferência do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local, realizada no dia 19, no Fórum Lisboa.

Perante a aproximação das eleições para a Assembleia da República, os delegados declararam que «tudo farão para dinamizar a acção sindical, bem como mobilizar os trabalhadores e as populações para derrotar as políticas de empobrecimento e de privatização que têm sido impostas e contribuir para a construção de uma política que respeite e valorize os trabalhadores, afirme a autonomia do Poder Local democrático e garanta a construção de um Portugal desenvolvido e socialmente justo».

Assumindo este compromisso, asseguram que a luta «vai prosseguir e intensificar-se», seguindo quatro «eixos prioritários de acção»: a defesa do vínculo público e do emprego; o direito à carreira profissional; a defesa do aumento salarial e da sua negociação anual; a defesa do horário de trabalho de 35 horas para todos, sem adaptabilidade nem «banco» de horas.

Na conferência foi feita a apresentação do livro «STAL – Sindicato de Abril, 40 anos de luta em defesa de quem trabalha».

Concluídos os trabalhos, os delegados e dirigentes deslocaram-se, em manifestação, até ao Ministério do Emprego, para ali deixarem as conclusões da conferência, afirmando a determinação de lutar, em especial, contra a precariedade, contra os abusos de contratos «emprego-inserção» e pela vinculação dos trabalhadores em funções permanentes.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: