Defender o emprego

Os trabalhadores da Lua de Mel foram inesperadamente confrontados, no dia 2, com o encerramento ilegal de quatro estabelecimentos, em Oeiras, Carcavelos, Cascais e Parede, e decidiram concentrar-se junto a este último, informou o Sindicato da Hotelaria e Similares do Sul. Os patrões, refere ainda o comunicado do sindicato da CGTP-IN já não pagavam salários e subsídios, mas nada fazia prever este fecho.

Perante a recusa do Ministério da Saúde em receber o Sindicato da Hotelaria do Sul, este convocou uma concentração de trabalhadores do Hospital Particular de Lisboa, no dia 31 de Outubro, junto ao edifício onde está instalado o gabinete de Paulo Macedo, procurando chamar a atenção do ministro para a situação desesperada que provocou a desactivação do HPL. Durante o mês de Outubro, o sindicato e os trabalhadores realizaram outras acções de protesto, exigindo que patrões e Governo assumam as suas responsabilidades.

O Sindicato da Hotelaria e Similares do Norte acusou a Eurest, multinacional do Grupo Compass, de desencadear um despedimento colectivo ilegal, visando 83 trabalhadores, que laboram em hospitais, áreas de serviço e cantinas de fábrica, a nível nacional. O sindicato da CGTP-IN recorda que a empresa já fez um despedimento colectivo de 57 pessoas, este ano. Sendo anunciada a intenção do novo despedimento no momento em que são lançados concursos para os serviços a explorar em 2013, a empresa poderia simplesmente não concorrer às unidades que considere não rentáveis, observa o sindicato, contestando ainda a legalidade de, nos critérios de selecção do pessoal a despedir, ser incluída uma avaliação de desempenho.

A Sociedade Figueira Praia foi acusada pelo Sindicato da Hotelaria e Similares do Centro de ameaçar os trabalhadores do serviço de restauração e bebidas do Casino da Figueira da Foz com lock-out, a partir de 1 de Novembro, culminando um processo de pressões que visa levá-los a aceitarem o despedimento. O sindicato da CGTP-IN revelou que os trabalhadores decidiram pedir uma reunião urgente com a administração e colocar o caso à Autoridade para as Condições do Trabalho e à secretaria de Estado do Turismo, bem como aos órgãos do poder local e central.

O Sindicato da Hotelaria e Similares do Algarve condenou, na semana passada, a postura do empreendimento turístico Vale de Lobo e da Servilimpe, que estão a tentar descartar-se de uma trabalhadora, após esta ter estado um ano de baixa, por doença.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: