• Filipe Diniz

Arraia Miúda

Lisboa, 1383: «levantaram[-se] os povos [em Lisboa e] em outros lugares, sendo grande o cisma e a divisão entre os grandes e os pequenos. Ao qual ajuntamento dos pequenos povos, que assim então se juntava, chamavam naquele tempo arraia-miúda.» […] «E os pequenos aos grandes, depois que cobraram coração e se juntavam todos num, chamavam-lhes traidores cismáticos, que estavam da parte dos castelhanos para darem o reino a de quem ele não era. […] Era maravilha de ver que tanto esforço Deus punha neles, e tanta cobardice nos outros, que os castelos que os antigos reis, permanecendo sobre eles por longos tempos, não podiam à força de armas tomar, os povos miúdos, mal armados e sem capitães, com os ventres ao sol, antes do meio-dia os filhavam por força.(1)»

Entre os antecedentes do levantamento da «arraia-miúda», encontrava-se a circular de 3 de Janeiro de 1349 (Afonso IV) cujas primeiras medidas eram o arrolamento […] dos indivíduos obrigados a trabalhar por conta alheia; a fixação do preço da força de trabalho (taxas); sanções penais para quem desrespeitasse as taxas (ou seja, quem pagasse acima delas); a obrigatoriedade de o criado trabalhar todo o ano para o senhor, se este necessitasse dos seus serviços para além do contrato(2).

Hoje como antes a classe dominante contrapõe os seus privilégios aos direitos dos trabalhadores e do povo, alia-se ao estrangeiro contra o interesse nacional. Costuma esta gente repetir que «Portugal não é a Grécia». Mas as políticas contra os respectivos povos são as mesmas, e os seus resultados serão inevitavelmente os mesmos. E há já dados na situação portuguesa que mesmo nessa comparação ressaltam negativamente. O número de indivíduos em famílias afectadas no seu conjunto pelo desemprego aumentou na Grécia 1,5% entre 2005 e 2010. Em Portugal aumentou 44%(3).

O povo levanta-se novamente em massa perante este rumo de desastre. Encheu o Terreiro do Povo. Prosseguirá a luta até vencer.

_______________

(1)  Fernão Lopes, “Crónica de D. João I”, em  http://www.azpmedia.com/historia/content/view/111/44/
(2)
Álvaro Cunhal, “As lutas de classes em Portugal nos fins da Idade Média”, Ed. Estampa, 1975, p.38
(3) 
http://epp.eurostat.ec.europa.eu/tgm/table.do?tab=table&init=1&plugin=1&language=en&pcode=t2020_51



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: