Esta posição e atitude política é inaceitável em democracia
Moção de censura à Câmara do Montijo
CDU critica chantagem política

Os eleitos comunistas na Assembleia Municipal do Montijo apresentaram, na passada semana, uma moção de censura à presidente da autarquia, do PS, pelos actos «antidemocráticos de discriminação, perseguição e teimosia política» com a Junta de Freguesia de Sarilhos Grandes.

Uma iniciativa política rejeitada com os votos contra da bancada do PS e a abstenção do PSD/CDS-PP, que compactuam com a não descentralização de competências da autarquia para aquela junta de freguesia, ao contrário do que acontece com as outras. «Esta posição e atitude política é inaceitável em democracia, indigna do Portugal de Abril. É o principio de quem não é por mim é contra mim, acrescido de pressão e chantagem política para tentar levar um presidente de junta a votar a favor de um documento [Plano de Actividades e Orçamento da Câmara Municipal] que não concorda, com a ameaça de discriminação e isolamento político», refere o documento, lembrando que a Junta de Freguesia de Sarilhos Grandes «continua a reclamar o direito, em igualdade de circunstâncias com outras juntas de freguesia do concelho, de subscrever um Protocolo de Delegação de Competências».

A moção de censura pretendia ainda censurar o vergonhoso apoio público da presidente da Câmara Municipal à famigerada medida que o Governo pretendia executar de encerramento das urgências pediátricas do Centro Hospitalar Barreiro/Montijo e Setúbal, pondo em risco a prestação de cuidados médicos às crianças do concelho. «Este executivo, dito socialista, é useiro e vezeiro, no seguidismo cego das políticas do Governo central, renegando para segundo plano o bem-estar das populações do Montijo», acusaram os comunistas.

Os eleitos do PCP apresentaram, de igual forma, uma proposta, que teve a mesma votação da moção de censura, de criação de um grupo de trabalho, com um representante de cada bancada, para analisar a situação da saúde no concelho, em defesa do Serviço Nacional de Saúde, para melhor responder aos direitos e necessidades da população do concelho, onde mais de 40 por cento dos utentes inscritos no centro de saúde não têm médico de família.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: