<i>Renault</i> deslocaliza <i>Clio</i>
A possibilidade de o grupo Renault deslocalizar a produção do Clio IV para a Turquia, avançada há uma semana pelo jornal La Tribune, está a provocar fortes preocupações em França.
«Se a decisão de deslocalizar a produção do Clio IV para a Turquia se concretizar, o Estado francês não poderá deixar de reagir», avisa a CGTP, lembrando que a Renault recebeu uma importante fatia de dinheiros públicos no âmbito do plano de ajuda à indústria automóvel: três mil milhões de euros de empréstimos bonificados em troca da manutenção dos postos de trabalho.
A direcção do grupo afirma que a decisão ainda não está tomada, mas não a desmente; entretanto, vai emitindo sinais contraditórios, apontando as actuais instalações da Clio em Flins como potenciais receptoras de Zoe ZE, o protótipo da futura gama de carros eléctricos, e da produção de baterias para esse tipo de veículos a partir de meados de 2012.
O governo francês, por seu lado, não esconde o incómodo da situação. O ministro da Indústria, Christian Estrosi, diz-se «chocado» e já convocou Patrick Pelata, director geral da Renault, para uma reunião. O Estado, que representa 15 por cento da empresa, «não tem um representante no conselho de administração para ficar de braços caídos», assegura. Resta esperar para ver. É que a Renault recebeu ajudas em troca da garantia de não fazer despedimentos mas acabou por implementar um vasto plano de «saídas voluntárias» de mais de 4400 trabalhadores.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: