• Correia da Fonseca

Cooperação atlântica
No canal História, não acessível à maioria dos telespectadores ainda que já com significativa audiência potencial, o título de um programa anunciado despertou-me interesse: «O Exército Secreto da NATO». Naturalmente, fui ver o que estava dentro dele e, antes disso, de onde vinha, quem o fizera. Como muita gente mais, sei que averiguar de onde vem a informação que se nos depara é quase tão importante como saber quem cozinha a refeição que nos é servida quando, fora das nossas casas, nos arriscamos em lugares de higiene abaixo do incerto. No caso, fiquei a saber que o autor daquela reportagem era Andreas Pichler, um italiano nascido em Bolzano nos finais da década de 60 e com obra feita na área do telejornalismo. Era um mínimo de garantia e, por isso, fiquei para ver. Não me arrependi, antes pelo contrário. Com o apoio de depoimentos vários e de imagens do tempo, Pichler abordava a série de atentados terroristas que antes de 89 e durante cerca de vinte anos ocorreu na Europa Ocidental, designadamente na Alemanha, na Itália e na Bélgica, provocando dezenas de mortos e feridos entre a população civil. Citava lugares e nomes porventura ainda inscritos na memória de quem, vivendo nesse tempo, acompanhou os noticiários: uma praça em Munique, um banco em Milão, uma estação ferroviária em Bolonha, um quartel na Bélgica. Outros mais. Identificava figuras e a sua acção: por exemplo, revelava que o fundador dos serviços secretos da democrática RFA com capital em Bona foi um antigo membro das SS hitlerianas. E explicava as raízes de quanto revelava.

Para reforçar o ódio

A questão terá sido que, depois de 62 e do abrandamento do chamado «equilíbrio do terror» em resultado da solução da «crise dos mísseis» instalados em Cuba, a inteligência estratégica do Ocidente Atlântico receou o enfraquecimento do «medo dos russos» e do comunismo na opinião pública. Até então e desde 45, a perspectiva de uma possível «invasão vermelha» da Europa ocidental pelo exército soviético ainda era mantida quanto possível, mas a partir daquele momento debilitara-se muito e foi entendida a necessidade de reforçá-la. Para tanto, a manipulação do medo poderia ser prosseguida através de atentados terroristas preparados ou «teleguiados» pelos serviços secretos do mundo democrático: a norte-americana CIA, o britânico MI6 e serviços com equiparáveis vocações de países do continente europeu, com destaque para alemães, italianos e belgas, ter-se-ão coligado e metido mãos à obra. Passara talvez o tempo de formações militares clandestinas que aguardavam a tal invasão soviética para no momento certo agirem não tanto contra os tanques «vindos do frio» quanto contra personalidades pré-identificadas como comunistas ou simpatizantes do comunismo: segundo a reportagem, eram organizações «preparadas para assassinar» alvos escolhidos, e passava-se às acções terroristas que matavam indiscriminadamente. O trunfo situava-se na acusação implícita ou explícita de que tais acções eram praticadas pelos comunistas (amalgamando-se, para aplicação à opinião pública a condicionar, os comunistas solidários com a URSS e a esquerda supostamente «extrema» que seria responsabilizada por alguns atentados e em que a CIA ou similares muitas vezes estaria infiltrada). O importante era revitalizar o anticomunismo graças ao medo, à indignação pública, à condenação ética, ao ódio. Toda a reportagem de Pichler se orientou no sentido de o recordar e provar.

Um momento de ar limpo

A reportagem transmitida pelo canal História teve o curioso mérito de chegar aos nossos olhos poucos dias depois da Grande Farra que foi o conjunto dos festejos pelo derrube do Muro de Berlim e do caldo de desinformação acerca da RDA em que o arraial foi servido. Uma vez mais, como foi claramente visto e entendido por quem olhou aquilo com olhos de ver e cabeça de pensar, o objectivo da manobra foi então o mesmo que décadas atrás motivou a criação das diversas organizações clandestinas que, coordenadas, consubstanciaram o que Andreas Pichler designou em título por «exército secreto da NATO». Ficou na reportagem suficientemente claro que a RDA foi desde o seu primeiro dia, inevitavelmente, um alvo a exterminar, objectivo complementar da sinistra fogueira anticomunista alimentada por todos os meios. É claro que esta reportagem não garante a permanente objectividade da programação do canal História, longe disso. Mas foi um momento de ar limpo injectado num ambiente carregado de toxinas. Nada mau.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: