Roménia
Tribunal declara greve ilegal
O tribunal de Galati declarou ilegal a greve iniciada a 14 na siderurgia da ArcelorMittal, instalada nesta cidade no Leste da Roménia.
O sindicato Solidaritatea, que lançou o apelo de greve, considerou a decisão dos magistrados, anunciada no dia 16, como «um complô político-jurídico-financeiro contra os operários de Galati».
Na véspera, o mesmo tribunal já tinha imposto a suspensão da greve por 30 dias evocando o risco de explosão das instalações provocado pela diminuição do funcionamento dos altos-fornos.
Obrigados a retomar o trabalho, os operários não desistiram da luta. Na tarde desse dia, cerca de um milhar concentraram-se frente à empresa, entoando cantos revolucionários romenos e apelando à unidade e solidariedade de todos para exigir aumentos salariais.
Gheorghe Tiber, dirigente do Solidaritatea, assegurou aos manifestantes que o sindicato estava aberto a negociações, mas não renunciaria às reivindicações apresentadas. Apesar de a maioria dos sindicatos ter assinado um acordo salarial que prevê aumentos globais de 12,5 por cento, o Solidaritatea insiste na duplicação dos vencimentos, prémios e outras prestações.
Em torno destas reivindicações, 3800 trabalhadores dos 14 mil efectivos da unidade industrial subscreveram a convocação da greve por tempo indeterminado, seguindo o exemplo dos seus colegas da Dacia-Renault que, dias antes, tinham obtido 360 lei (97 euros) de aumento após uma paralisação de quase três semanas.
Segundo o sindicato, o salário médio na ArcelorMittal é de 750 lei (210 euros). A multinacional, que dispõe de quatro siderurgias em território romeno, recusa a abertura de novas negociações, alegando que já assinou um contrato colectivo com nove dos 11 sindicatos, os quais representam 75 por cento dos trabalhadores.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: