Urânio amanhã na AR
Antigos trabalhadores da Empresa Nacional de Urânio e familiares concentram-se amanhã, desde manhã, junto à Assembleia da República, «esperando que aí finalmente seja feita justiça» - informou o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira.
Em nota à imprensa, o STIM/CGTP-IN refere que, após múltiplas acções realizadas, para reclamar «a justa reparação pelas consequências do contacto com o urânio», o assunto vai ser abordado no Parlamento. Dos projectos-lei em discussão, o do PCP tem sido considerado o mais abrangente, pois responde a todas as reivindicações dos ex-trabalhadores, tais como a equiparação das actividades no exterior ao trabalho de fundo de mina, para efeitos de antecipação da idade de reforma; a realização de exames médicos periódicos; o pagamento de indemnizações às famílias dos ex-trabalhadores que morreram em consequência da exposição à radioactividade.

Panasqueira

Anteontem à tarde, o sindicato e a administração das Minas da Panasqueira acordaram um aumento salarial de 3,5 por cento, com efeitos a 1 de Janeiro, e a actualização de subsídios de alimentação e diuturnidades. A remuneração total média deverá crescer entre 53 e 56 euros, para quem trabalha dentro da mina, e entre 42 e 45 euros, para quem trabalha no exterior, explicou um dirigente do STIM, citado pela agência Lusa.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: