A CDU é a força política capaz de dar um rumo de progresso ao concelho de Loures
Um concelho sem estratégia de desenvolvimento
Loures precisa, de novo, da CDU
«A Câmara de Loures está sem dinâmica, desorientada e subserviente ao Governo PS». Esta foi uma das conclusões retiradas do Encontro CDU, realizado dia 20 de Outubro, no Auditório da Junta de Freguesia de Bucelas.
«O concelho de Loures e a sua população vivem um mau momento. A política do PS no plano nacional de agravamento das condições de vida dos trabalhadores, dos reformados e da população em geral, de redução de serviços públicos, de falta de investimento em áreas essenciais ao desenvolvimento económico do país, é acompanhada e agravada no plano municipal por uma gestão PS sem uma estratégia de desenvolvimento, sem um rumo definido», acusa a resolução da CDU, aprovada no encontro.
Fruto da política do PS, Loures, o quinto maior concelho do País, que sempre apresentou dos mais elevados índices nos vários domínios do desenvolvimento, pioneiro em muitas áreas da actividade autárquica, empobrece de dia para dia, é relegado para um plano secundário, deixou de ser uma referência positiva na Área Metropolitana de Lisboa e no país.
Entretanto, acusa a CDU, o que caracteriza a gestão do PS em Loures «é o incumprimento de promessas, a apropriação de projectos alheios, a arrogância e a prepotência de que as recentes cheias em Sacavém são o último exemplo».
Os comunistas eleitos nos diversos órgãos autárquicos do concelho lamentam ainda a «o aumento despropositado do Imposto Municipal sobre Imóveis» e «a falta de investimento em áreas essenciais como a educação». Acusam ainda a autarquia PS de «uma política urbanística desordenada, estando a revisão do PDM atrasada três anos».
Ao longo dos tempos, a CDU tem procurado identificar os principais problemas com que as populações se deparam, as suas principais aspirações e dar-lhes resposta, quer através de informações e esclarecimento da acção nos órgãos autárquicos, quer através da dinamização e organização da luta em torno das reivindicações que afectam trabalhadores e moradores do concelho de Loures.
«É importante salientar que apresentámos propostas para o PIDDAC, para as grandes Opções do Plano de 2007, para a diminuição do IMI, para o reforço do movimento associativo, para a construção do Hospital de Loures, para a futura utilização do Quartel de Adidos de Sacavém, para o pagamento das dívidas a fornecedores que têm vindo a aumentar, para o apuramento de responsabilidades das causas directas das recentes cheias em Sacavém», relata a CDU, acrescentando: «Combatemos a retirada de regalias aos trabalhadores, o fecho das urgências dos CATUS de Santa Iria, Prior Velho e Loures, das urgências do Curry Cabral, da Escola de Santo Antão e do Posto da GNR de Bucelas».
Os eleitos do PCP denunciaram ainda a «demagogia da Carta Educativa, a situação da degradação ambiental em Loures, a insegurança na Apelação e Camarate, a anulação de verbas para os cemitérios de Fanhões e S. João da Talha» e realizaram várias iniciativas de debate, salientando-se as que foram feitas sobre o Hospital de Loures e a partilha dos SMAS.

A CDU sabe o que é preciso fazer

Defesa firme dos interesses da população do concelho face à ofensiva do governo PS de diminuição dos serviços públicos;

Uma linha reivindicativa de novos investimentos do Poder Central no concelho de Loures, consentâneos com a importância deste concelho na AML e no País;

Combate às políticas negativas da gestão PS no Município com destaque para a exigência da diminuição dos impostos em particular o IMI (ex-contribuição autárquica);

O desenvolvimento e afirmação pública do projecto autárquico da CDU para o concelho de Loures – um concelho solidário empenhado na inclusão social e seguro, equilibrado do ponto de vista ambiental e urbanístico, comprometido com a educação, um concelho de cultura e desporto, com um desenvolvimento económico sustentado e gerador de emprego, com serviços de qualidade.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: