Breves
<em>STE</em>
Pelo pagamento de retribuições em atraso há seis meses e dos subsídios de Natal, os trabalhadores da STE, no Prior Velho, decidiram realizar no dia 4, segunda-feira, mais uma greve, concentrando-se à entrada das instalações da empresa. Os trabalhadores suspeitam de que o investidor anónimo que, em 2004, adquiriu a Rocha de Matos a quase totalidade das acções, esteja a preparar-se para reduzir progressivamente a actividade e o pessoal, para depois vender os imóveis da empresa, avaliados em mais de 2,5 milhões de euros, revelou o SIESI/CGTP-IN.

Soflusa
As greves parciais dos maquinistas práticos da Soflusa, no dia 30 de Novembro, e de segunda-feira até ontem, tiveram adesão praticamente total, interrompendo ou limitando a um único barco (em vez de sete) as ligações fluviais entre Lisboa e o Barreiro, ao início da manhã e ao final da tarde de cada dia.

Em fuga
O patrão da Pereira da Costa e o restante conselho de administração abandonaram as instalações na Venda Nova, Amadora, transferindo o serviço de manutenção para parte incerta e os serviços técnicos e administrativos para um escritório nas Laranjeiras (Rua José Afonso, lote 1), em Lisboa, onde os trabalhadores decidiram concentrar-se, no dia 30 de Novembro, informou o Sindicato da Construção do Sul. a USL/CGTP-IN denunciou a pressão a que os trabalhadores foram sujeitos, nesta acção, com a presença do Corpo de Intervenção da PSP.

Negociação
Os guardas florestais> obtiveram anteontem do Ministério da Administração Interna o compromisso de abertura de negociações sobre o caderno reivindicativo, entregue em Outubro pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública. Dirigentes e delegados sindicais deslocaram-se ao MAI, onde lhes foi assegurado que a primeira reunião será marcada até segunda-feira, noticiou a Lusa. Os cerca de 400 guardas florestais, que pertenciam ao Ministério da Agricultura, foram integrados há sete meses no Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR. Têm remunerações significativamente mais baixas que os guardas da GNR e os seus horários de trabalho não estão regulamentados, entre outros problemas, já colocados em Julho ao comandante geral daquela força.

Barricados
Na escola de condução, Automobilista Almadense, na Cova da Piedade, os 12 funcionários estiveram barricados durante cinco dias até que obtiveram, segunda-feira, garantias do pagamento dos salários em atraso, a fim de receberem as remunerações de Outubro e Novembro. Foram também assinados os impresso relativos aos pedidos de subsídio de desemprego, nas instalações do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Urbanos de Portugal. A gerência não tinha sequer informado os trabalhadores do despedimento.

Águas
No Alentejo, a direcção Regional de Évora, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local, STAL/CGTP-IN, fez saber, dia 27, que enviou, no dia 23, uma carta ao Governo e à Comissão Europeia, onde exige o desbloqueamento do sistema intermunicipal de águas do Alentejo, de forma a melhorar a rede de infraestruturas e a qualidade da água para consumo.

<em>O Público</em>
O jornal, O Público, anunciou que quer deixar de pagar o trabalho suplementar e as compensações por trabalho externo, denunciou, dia 29, o Sindicato dos Jornalistas (SJ).
Ao lembrar serem «garantias integradas nos respectivos contratos individuais», o SJ solicitou a intervenção da Inspecção-Geral do Trabalho, para que proceda ao levantamento do trabalho suplementar, a prestar nos feriados deste mês.

Solidariedade
Ajudar o dirigente do Sinquifa/CGTP-IN e trabalhador da Faurécia, João Miguel Oliveira, que se encontra tetraplégico desde que sofreu um acidente, em Julho, é o propósito da recolha de fundos que decorre, desde Setembro. As contribuições devem ser enviadas para a conta n.º 1-3714554000001, com o NIB, 001000003714554000104, do Banco BPI, à ordem de João Miguel Farfield Cardoso d’Oliveira.

Homenagem
Francisco Moreira da Silva, primeiro coordenador da delegação distrital de Leiria, do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Urbanos do Centro e militante comunista falecido em Janeiro deste ano, foi homenageado pela direcção sindical, que, a 10 de Novembro, colocou uma placa evocativa, na delegação do STRUC/CGTP-IN.