Sintra
Contra a redução de comboios
O PCP está contra a redução de vinte por cento da oferta de horários dos comboios na Linha de Sintra, em vigor desde o passado dia 9. A CP eliminou 70 horários, num total de 358. Os comboios com partida de Sintra para Agualva-Cacém sofreram uma redução de quase 50 por cento. A Comissão Concelhia de Sintra, em nota do dia 14, lembra que neste troço situam-se zonas densamente povoadas, como Algueirão-Mem Martins, Mercês e Rio de Mouro.
Para a concelhia comunista, este é mais um exemplo da política de transportes e mobilidade que tem vindo a ser seguida por sucessivos governos do PS, PSD e CDS-PP. Esta tem tido como elemento central um «ataque aos direitos sociais dos portugueses» e tem resultados conhecidos: redução de carreiras, mais de mil linhas férreas encerradas, pior qualidade de serviço e preços mais elevados.
Na Linha de Sintra, esclarece o PCP, as consequências são ainda maiores. A desarticulação do sector dos transportes acarreta o aumento da importância do transporte individual. A redução da circulação automóvel no IC 19 «só resultará com o reforço dos horários dos comboios» e não o oposto.

Debater o Polis

A Concelhia de Sintra, noutro comunicado, informa que solicitou à Comissão Instaladora da Associação de Moradores da Freguesia do Cacém uma reunião com o intuito de debater os problemas resultantes do Polis. O projecto de requalificação da cidade tem sido alvo de críticas da população, que considera que não é ouvida.
Considerando que o programa Polis em Agualva-Cacém é uma intervenção complexa, as populações querem ser ouvidas acerca de todos os passos da obra, antes que esta vá para o terreno. O PCP e a CDU assumem as preocupações das populações e dar-lhe-ão voz, através de uma interpelação na Assembleia da República.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: