Itália contra imigrantes
O governo italiano vai tomar medidas contra o aumento da entrada de imigrantes clandestinos vindos de Marrocos, referindo que o seu número passou de 2,4 para 32,4 por cento do total de chegadas. A quantidade de imigrantes chegados às costas sicilianas duplicou em Novembro e Dezembro relativamente aos números dos mesmos meses do ano passado.
Segundo informações do Ministério do Interior citadas pela imprensa na semana passada, este afluxo é uma consequência do reforço do controlo nas fronteiras espanholas de Ceuta e Melilla, passagem tradicional dos africanos que procuram entrar clandestinamente na Europa.
Na sexta-feira, o embaixador de Marrocos em Roma, Tajeddine Baddou, foi convocado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros que lhe transmitiu «as mais vivas preocupações do Governo italiano». Na véspera, o conselho de ministros italiano afirmou que o fenómeno da imigração pelo mar «poderá tornar-se rapidamente uma verdadeira urgência» e instou os ministros do Interior e dos Negócios Estrangeiros a «tomarem todas as iniciativas oportunas para enfrentar» a situação, começando pelo reforço da colaboração com os Estados do Magrebe.
Segundo as últimas estatísticas do Ministério do Interior, a imigração clandestina pelo mar mantém-se marginal em Itália, não ultrapassando quatro por cento das chegadas. Cerca de 67 por cento dos clandestinos entraram legalmente em Itália, mas prolongaram ilegalmente a sua estada.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: