Falso alarme

O homem internado, segunda-feira, no Hospital de Santa Maria da Feira, não deverá encontrar-se contagiado pelo vírus da Gripe das Aves.
A informação, ainda sujeita a confirmação fornecida pelas análises efectuadas, foi dada pelo director-geral de saúde, Francisco George, mas para já fica afastado o pior cenário relativamente à chegada a Portugal de uma doença que poderá ameaçar a saúde pública em todo o mundo.
Entretanto, os ministros da saúde dos 25 estados membros e o comissário europeu responsável pela área da saúde reuniram-se para avaliar a situação e debater medidas conjuntas, uma das quais entrou em vigor na passada sexta-feira, o encerramento dos mercados de venda de aves ao ar livre. Para além desta decisão, que ameaça paralisar no imediato milhares de postos de trabalho ligados à produção avícola, a UE prevê o embargo à importação de aves até que seja restabelecida a confiança na sua sanidade.


Crianças sujeitas a exploração

Segundo dados revelados esta semana pela Confederação Nacional de Acção Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em Portugal, cerca de 47 mil crianças trabalham nas mais diversas áreas de actividade, com particular destaque para a agricultura, a industria têxtil e as superfícies comerciais, mas também na execução de múltiplas tarefas domésticas.
As dificuldades económicas e as consequentes deficiências nas condições de vida das famílias estão na base da exploração do trabalho infantil. Os menores de 16 anos são mão-de-obra barata e precária ao alcance dos patrões, os quais, não raras vezes, gozam do consentimento dos pais e da quase absoluta ineficiência dos meios de fiscalização postos à disposição das entidades competentes.
Os indicadores ao nível mundial revelam dados ainda mais alarmantes. Estimativas recentes afirmam que quase 250 milhões de crianças encontram-se integradas no mercado de trabalho, 180 das quais desempenhando tarefas consideradas de elevado risco laboral e 8 milhões e meio em regime de escravatura.


Wilma já passou a Florida

A passagem do furacão Wilma pela Florida causou cinco vítimas mortais e um valor ainda difícil de quantificar em prejuízos materiais.
Para já, sabe-se que à passagem pela península norte-americana o Wilma tornou-se mais violento, pelo menos o suficiente para deixar mais de três milhões de lares sem electricidade, estradas cortadas e casas e outros edifícios parcialmente danificados.
Os meteorologistas indicam que o epicentro da tempestade dirige-se agora para o oceano Atlântico onde se espera que se venha a dissipar.
Antes de chegar à costa da Florida, o Wilma vitimou oito pessoas, sexta-feira, na região de Iucatão, no México.
Em Cuba, a passagem do furacão foi precedida por uma gigantesca operação de prevenção por forma a evitar os cenários trágicos já registados noutras localidades este ano, sobretudo em território dos EUA.
Quase 600 mil pessoas foram evacuadas por 65 mil voluntários e 15 mil médicos. No balanço, perderam a vida quatro pessoas, todas em resultado de um acidente rodoviário durante as operações de evacuação.


Governo retira SAP a Vendas Novas

«Os Verdes» solicitaram, esta semana, explicações do Ministério da Saúde sobre a alegada intenção de encerramento, no período nocturno, das urgências do Centro de Saúde de Vendas Novas. A denúncia de que o SAP iria ser encerrado entre as 24 e as 8 horas, partiu do presidente da Câmara Municipal, José Filipe Barradas, que garantiu que o processo estava a ser preparado pela Administração Regional de Saúde do Alentejo.
No requerimento entregue, no início da semana, José Luís Ferreira pede esclarecimentos aos Ministério da Saúde sobre a matéria, considerando que, a concretizar-se, implica «uma preocupante diminuição na prestação de cuidados de saúde».
O deputado lembra ainda que o concelho de Vendas Novas possui um parque industrial no qual laboram empresas «também no período nocturno» existindo «alguma probabilidade de ocorrência de acidentes de trabalho». «Esta medida penaliza os utentes daquele serviço, provocando dificuldades ao nível das deslocações», acrescenta, frisando que, para acederem a cuidados de saúde, os habitantes de Vendas Novas terão de passar a deslocar-se a Montemor-o-Novo, a 25 quilómetros de distância, ou a Évora e Setúbal, a 50 quilómetros.


Degradação ambiental no rio Almonda

Várias deficiências nas Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) junto ao rio Almonda, em Torres Novas, foram relatadas pelo Ministério do Ambiente numa resposta a um requerimento parlamentar, revelou, no domingo, o PCP.
De acordo com os serviços de fiscalização do ministério, foram «detectadas descargas de efluentes domésticos, sem tratamento» de algumas localidade e a ETAR de Riachos «é apontada como a principal fonte poluidora da Vala das Cordas», efluente do rio Almanda. Além disso, «a linha de água onde se efectua a descarga desta ETAR está assoreada, causando a estagnação das águas» e criando «o maior foco de poluição» da bacioa hidrográfica, refere a resposta do Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional a um requerimento do deputado comunista Miguel Tiago.
No requerimento, Miguel Tiago aponta ainda a existência de uma «galopante degradação ambiental» do rio, com «valas e fossas abertas através de campos de cultivo, sem qualquer impermeabilização».


Resumo da Semana