Breves
Valorizar o concelho
A Comissão Coordenadora Concelhia do Montijo da CDU vai apresentar, dia 10 de Maio, terça-feira, no Bar Plastic (Avenida João de Deus, n.º 10, no Montijo) os cabeças de lista à Câmara, José Henrique Serra da Graça, e Assembleia Municipal, Álvaro José de Oliveira Saraiva.
José Henrique Serra da Graça, 57 anos, técnico de Recursos Humanos, casado, residente em Montijo, concluiu em 1966 o antigo 7.º ano dos liceus no Colégio de Benavente, e possui o 2.º ano do curso de Psicologia do ISPA.
Ingressou na Câmara Municipal de Benavente como escriturário em 1966. Um ano depois é incorporado no 1.º curso de Oficiais Milicianos da Força Aérea onde permaneceu até Janeiro de 1976. Foi eleito pelos Oficiais como representante da Base Aérea do Montijo na Comissão Coordenadora (alargada) do Movimento das Forças Armadas da Força Aérea (MFA). Fez parte da Assembleia de Delegados da FAP do MFA, e integrou a equipa de militares na Campanha de Dinamização Maio-Nordeste. Por despacho do então Chefe de Estado-Maior da FAP foi mandado passar à disponibilidade compulsiva, na sequência dos acontecimentos do 25 de Novembro de 1975.
Trabalhou nos serviços de contencioso do Sindicato dos Metalúrgicos durante um ano, sendo admitido em 1978 no sector de Recursos Humanos do Entreposto Industrial. A partir de 1980 ingressou na Renault Portuguesa, sendo chefe nos Serviços de Processamento de Salários e Controlo de Presenças, e como Técnico de Recursos Humanos ai permaneceu até 1993.
Foi presidente da Assembleia Geral da Cooperativa de Habitação «Bem-Vinda a Liberdade» em Setúbal, membro da Assembleia Municipal de Salvaterra de Magos e do Montijo, vereador da Câmara do Montijo em três mandatos, tendo estado em regime de permanência de 1994/97 com os pelouros da Higiene, Mercados, Recursos Humanos, Educação e Ensino, Desporto e Cultura. Foi adjunto do presidente da Câmara de Salvaterra de Magos.
E membro do Executivo da Comissão Concelhia de Montijo e da Direcção da Organização Regional de Setúbal do PCP e desempenha as funções de assessor no pelouro Sócio-Cultural da Câmara Municipal de Palmela.
Álvaro José de Oliveira Saraiva, funcionário autárquico, 42 anos, foi membro da Assembleia Municipal de Montijo de 1990 a 2001, deputado da Assembleia Metropolitana de Lisboa de 1992 a 2001, deputado à Assembleia da República na IX Legislatura, candidato à Assembleia da República pelo distrito de Braga em 1999 e pelo distrito de Setúbal em 1991, 1995, 2001 e 2005.
É membro do Conselho Nacional e da Comissão Executiva do Partido Ecologista «Os Verdes» e vereador da Câmara Municipal de Montijo desde 2002.

Combater as assimetrias
Com a participação de uma centena de pessoas, decorreu, dia 22 de Abril, o Acto Público de Apresentação do Candidato da CDU à Câmara Municipal de Cascais. Pedro Lopes de Mendonça, cabeça de lista para a autarquia, sublinhou a importância das questões da saúde, educação, ordenamento do território e desenvolvimento económico.
Intervieram ainda Paula Costa, do Partido Ecologista «Os Verdes», que sublinhou a importância da preservação e defesa do Parque Natural de Sintra - Cascais, e Rosa Rabiais, da Comissão Política do PCP, a qual acentuou as profundas assimetrias do concelho de Cascais, nomeadamente nas freguesias do interior. Destacou ainda a importância e o valor do projecto autárquico da CDU, no envolvimento das pessoas e na defesa dos legítimos interesses da população.
Pedro Lopes de Mendonça, oficial da Armada reformado, militar de Abril, é membro da Comissão Concelhia de Cascais do PCP, sendo actualmente eleito da CDU na freguesia do Estoril. É membro dos órgão sociais de uma Associação de Bombeiros do concelho e de uma Associação de Pais.
Para a Assembleia Municipal, a CDU volta a indicar José Carlos Wanzeller, actual eleito naquele órgão autárquico do concelho.
Logo no dia 24 de Abril, o candidato da CDU à presidência da Câmara de Cascais interveio nas duas iniciativas de comemoração do 25 de Abril, que decorreram na Parede, onde também esteve presente o General Vasco Gonçalves, e em Tires, envolvendo no conjunto cerca de 300 pessoas.

Contra a estagnação
O especialista em Direito de Trabalho Fernando Moreira, 44 anos, anunciado, na passada semana, cabeça de lista da CDU à Câmara Municipal de Santo Tirso, definiu como meta a eleição de um vereador.
No actual mandato, a CDU não tem representação no Executivo e dispõe de apenas um eleito na Assembleia Municipal, José Alberto Ribeiro, 54 anos, metalúrgico e dirigente da União dos Sindicatos do Porto, que se recandidata ao cargo.
O município de Santo Tirso é dirigido há 24 anos pelo PS, o que, segundo a CDU, «provoca alguma estagnação».

Perspectivar o futuro
A CDU viu aprovada, sexta-feira, por unanimidade, uma proposta de moção de saudação ao 25 de Abril e ao 1.º de Maio na Assembleia de Freguesia do Posseirão.
O texto apresentado afirma que «a privatização de sectores estratégicos da economia nacional e de funções sociais do Estado, a perda de soberania e independência nacional face a uma Europa ao serviço das grandes potências, a destruição do aparelho produtivo nacional, o estado de constante revisão constitucional e a perspectivação e concretização de políticas que colocam em causa o próprio regime democrático nascido em Abril, a tentativa de limitar ou destruir direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores, em especial no que diz respeito à contratação colectiva, à actividade sindical e ao direito à greve, constituem exemplos da estratégia seguida por aqueles que nunca perdoaram o povo e os trabalhadores portugueses pela audácia de terem no mês de Abril de 1974 posto fim à ditadura fascista e monopólios e latifúndios».

Contra a URBHORTA
A CDU do Faial manifestou-se contra a proposta da Câmara Municipal da Horta, consistente na criação de uma empresa municipal, denominada URBHORTA, Construção, Gestão e Exploração de Projectos de Desenvolvimento Empresarial.
«Há uma posição política de princípio, sempre defendida pela CDU, de que projectos desta natureza e amplitude devem constar dos programas eleitorais das forçar concorrentes, de modo a que o povo, ao votar maioritariamente certa lista, sufrague não apenas os representantes que prefere mas igualmente os seus principais projectos. A legitimidade dos mandatários advém, desde logo, do conhecimento e aprovação dos mandantes do objecto do mandato e dos seus limites», afirmam, em conferência de imprensa, realizada no passado mês de Abril, os eleitos da CDU, justificando o seu voto, contra deste projecto, em Assembleia Municipal.

Aumento dos transportes
Porque a mobilidade na Área Metropolitana de Lisboa continua a ser problemática e requer políticas de incentivo aos transportes públicos, tornando-os economicamente mais vantajosos para a população, a Assembleia de Freguesia de Caparica, por proposta da CDU, aprovou uma moção contra o aumento dos mesmos.
«Com o argumento de ajustar os novos preços, ao atraso de três meses na actualização anual e à variação do preço dos combustíveis, no período de Setembro de 2004 a Março de 2005, o Governo, com esta medida, promove a baixa do poder de compra dos trabalhadores e o crescimento do endividamento das famílias e dá um importante contributo para empurrar cada vez mais portugueses para a utilização do transporte individual, com consequentes custos ambientais e energéticos», destaca o documento, que exige, entre outras medidas que o Governo «assuma as suas responsabilidades pela efectiva prestação do serviço público de transportes pagando as indemnizações compensatórias a tempos e valores ajustados com o serviço social prestado».

Lutar pela vida
No âmbito da Presidência Aberta sobre sinistralidade rodoviária, a Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 recebeu, domingo, Jorge Sampaio, no fatídico quilómetro 69,2.
Esta associação orgulha-se de com a sua acção, ter contribuído para baixar a sinistralidade e com isso ter poupado algumas vidas. «É bom contactarmos que a zona de Souselas, a descida do Botão, a Espinheira, a descida de Penacova, a Livraria do Mondego, o nó de Miro, a zona da Raiva, tenham deixado de ser tão frequentemente notícia à medida que foram sendo adaptadas algumas medidas que defendemos. Mas é imperioso acabar com os restantes pontos negros que se mantém nesta via», avisam os utentes, em nota de imprensa, alertando para o facto que o quilómetro 69,2 «é um triste exemplo, com grande concentração de acidentes e de vítimas, mas também a intercepção com o IC6 e a zona de Santa Comba Dão».

«25 Fotos de Abril»
Até ao dia 19 de Maio, vai estar patente, na Galeria de Exposições do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, a exposição «25 Fotos de Abril», de Eduardo Gageiro.
Eduardo Gageiro é um nome incontornável do fotojornalismo português, sendo detentor de mais de três centenas de prémios, de onde se destaca o Grande Prémio Olho de Ouro em 1973 e 1979. Para além dessas distinções, expôs em inúmeros países de todo o mundo e publicou diversos livros.
Está ainda a decorrer, no Museu Municipal de Santiago do Cacém, até ao dia 10 de Junho, uma exposição de Manuel Cargaleiro, artista português consagrado nacional e internacionalmente. Na iniciativa vão estar exposta 41 peças, entre painéis de azulejos, placas de cerâmica e peças de cerâmica de rotação.