Breves
Apoio a Hugo Chávez
Centenas de milhar de venezuelanos marcharam em Caracas, no sábado, para comemorar o quinto aniversário do mandato do presidente Hugo Chávez. A gigantesca «maré vermelha» percorreu as ruas da capital sem que se tivessem registado incidentes, segundo a Associated Press, e quando passou pela praça Altamira, onde se concentravam alguns opositores de Chávez, estes bateram em retirada.
Discursando à multidão, Chávez classificou de «mega fraude» a recolha de assinaturas levada a cabo pelos oposicionistas para forçar um referendo sobre a sua continuação à frente dos destinos do país. A oposição garante ter recolhido 3,5 milhões de assinaturas, em quatro dias, mas os números estão a ser contestados. O Conselho Nacional Eleitoral já deu início ao processo, que se anuncia moroso, de validação das assinaturas.

ONU faz queixa de Israel
A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma resolução pedindo ao Tribunal Internacional de Justiça de Haia que aprecie a legalidade do «muro do apartheid» que Israel está a construir nos territórios palestinianos ocupados.
A Autoridade Nacional Palestiniana saudou a iniciativa, considerando-a «uma mensagem da comunidade internacional contra as agressões de Israel».
O embaixador palestiniano na ONU, Nasser Al-Kidwa, acusou Israel de cometer crimes de guerra e de se apoderar das terras palestinianas através da força, desrespeitando sistematicamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.
Em declarações à Reuters, Raanan Gissin, representante de Ariel Sharon, afirmou por seu turno que Israel se vai defender junto ao tribunal Haia.
A resolução da Assembleia Geral da ONU foi aprovada por 90 votos, 74 abstenções e oito votos contra, entre os quais os Estados Unidos, Israel a Micronésia e as Ilhas Marshall.

China adverte Taiwan
O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, em visita à sede da ONU e na presença do seu secretário-geral, Kofi Annan, advertiu as forças separatistas de Taiwan que o governo chinês não tolerará uma acção separatista.
«Enquanto houver um fio de esperança, o governo chinês não abandonará os seus esforços em prol da reunificação pacífica», disse Jiabao, lembrando que «o governo chinês formulou o principio de “um país, dois sistemas” tendo em conta que este é o princípio mais importante para a solução da questão de Taiwan».
No seu encontro com o primeiro-ministro chinês, que chegou a Nova Iorque no domingo, Kofi Annan reiterou o apoio da ONU à política de «uma só China». «Adoptámos a política de uma só China e apoiamos o princípio de que todas as diferenças se resolvam de forma política e pacífica», disse Annan.

Estudantes dos EUA com Fidel
Cerca de seis centenas de estudantes norte-americanos provenientes de 239 universidades e colégios dos EUA foram recebidos, sexta-feira, no Palácio de Convenções de Havana, pelo presidente cubano Fidel Castro.
O encontro integra-se no projecto «Semestre no Mar», cujo veículo é o cruzeiro Universe Explorer, que pretende fazer aportar o navio em diversos países e dar a conhecer aos alunos a história, a cultura e os costumes dos respectivos povos.
Para além do encontro com Fidel, os participantes visitaram a Universidade de Havana, alguns dos bairros históricos da capital e as províncias mais importantes daquela ilha caribenha.
O Universe Explorer passou anteriormente por países como o Canadá, Japão, China, Vietname, Índia, África do Sul e Brasil.
Aguarda-se a reacção das autoridades americanas a esta escala final em Cuba aquando do regresso da embarcação à Flórida, uma vez que recentemente foram endurecidas as medidas penais contra os cidadãos americanos que visitem o país sem autorização governamental.

Alemán condenado
O ex-presidente da Nicarágua, Arnoldo Alemán, foi condenado a 20 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, fraude, peculato, utilização abusiva de fundos públicos, crimes eleitorais e associação criminosa, anunciou no domingo a juíza Juana Méndez.
Alemán, de 57 anos, que ocupou a presidência entre 1997 e 2002, continuará por enquanto em prisão domiciliar, informou a juíza, que o autorizou a deixar a prisão em 26 de Novembro devido a um problema cardíaco.
As acusações contra o dirigente o Partido Liberal Constitucionalista levaram à sua destituição como deputado e presidente do Congresso Nacional, e posteriormente à sua prisão.
Alemán é acusado pelos seus adversários de, durante o seu mandato, ter acumulado uma fortuna de cerca de 250 milhões de dólares.

Mugabe sai da Comonwelth
O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, decidiu retirar o país da Comonwelth, depois de organização - que reúne a Grã-Bretanha e as ex-colónias britânicas - ter decidido no domingo, na Nigéria, manter a suspensão de Zimbábue por tempo indefinido. A suspensão fora aplicada há algum tempo como medida punitiva pelas alegadas irregularidades nas eleições presidenciais do ano passado, em que Mugabe foi reeleito para o seu quinto mandato à frente dos destinos do país.