Incineração
Apurar responsabilidades
«Os Verdes» exigem do ministro do Ambiente, Amílcar Theias, explicações sobre a decisão de construir uma incineradora de resíduos sólidos urbanos na região centro.
Em requerimento entregue na Assembleia da República, na passada semana, a deputada de «Os Verdes» Heloísa Apolónia pediu ao ministro das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente, que justifique a decisão de construir uma incineradora de resíduos sólidos urbanos na região centro depois de ter anunciado o abandono da co-incineração e da incineração dedicada dos resíduos industriais.
«Como é possível que um Governo que abandonou a opção de co-incineração e de incineração dedicada aos resíduos industriais, atendendo aos malefícios que essas opções comportariam, entre outros a incompatibilidade com uma verdadeira política de reciclagem, opte agora pela intensificação da incineração de resíduos sólidos urbanos, com a decisão de construção de uma nova incineradora na região centro?», interrogam-se «Os Verdes».
Heloísa Apolónia acusa o Governo de contrariar e «pôr na gaveta» o Plano Estratégico de Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU) que prevê a existência de apenas duas incineradoras - Valorsul, em Lisboa, e Lipor, no Porto.
«Da estratégia apresentada pelo Governo não se vislumbra uma aposta na redução e na reciclagem de resíduos», considera a deputada que pretende saber «o que se pode esperar em Portugal nessa matéria nos próximos tempos».
Na mesma semana, na sequência do crime ecológico ocorrido na lagoa de Melides, onde morrereu uma enorme variedade de peixes, a deputada de «Os Verdes» deslocou-se à lagoa, para observar in loco a situação.
«Os Verdes» consideram que é fundamental «apurar responsabilidades» e não deixar impune os responsáveis por este crime ecológico, que tem não só consequências ambientais gravosas mas também económicas.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: